Samambaia

Nephrolepis Polypodium

Outras Especificações:

Características: As samambaias são em geral plantas herbáceas, rizomatosas com folhas longas, subdivididas em folíolos que podem ser lisos ou rendados. De coloração verde, com diversas tonalidades, podem ser mais eretas ou mais pendentes dependo da espécie e variedade. Normalmente formam touceiras volumosas, demonstrando sua bela textura. Apresentam tamanhos muito variados, para todos os gostos e ambientes. Esta definição geral inclui, não só as conhecidas samambaias de grandes folhas verdes, mas também vários outros grupos. Este é um grupo diversificado de plantas verdes com mais de 12.000 espécies presentes no mundo, principalmente em climas tropicais. O nome samambaia é proveniente do tupi e significa “aquele que se torce em espiral”. Seu habitat pode ser tanto um vaso de xaxim (por causa da extinção, hoje é substituído pela fibra de coco) como o tronco de uma árvore, uma pedra ou mesmo o próprio solo ou a água, como as samambaias aquáticas. O sucesso no cultivo destas plantas depende da capacidade de reproduzirmos em casa as condições naturais em que estas vivem nas matas. As samambaias fizeram e fazem muito sucesso na decoração de interiores, sendo uma das plantas ornamentais mais vendidas no Brasil.

Porte: Dependendo da espécie varia entre 25 cm até 3 m ou mais.

Ciclo de vida: Perene.

Necessidades básicas:

Iluminação: As samambaias preferem locais bem iluminado, que não fique exposta ao sol forte e ao vento. A maior parte das espécies prefere ambientes sombreados. O vento é um dos seus maiores inimigos, causando “queima” das folhas mais jovens e perda de água por evaporação.

Rega: A umidade é o principal fator para o seu desenvolvimento. Regue 2 vezes por semana, deixando todo o substrato completamente úmido, nunca deixe-o completamente seco e nem encharcado. Borrife água nas folhas da samambaia 1 vez por semana. No verão devem ser irrigadas duas a três vezes por semana.

Substrato: Normalmente eram cultivadas em xaxim, que retêm mais a umidade e permitem que as raízes respirem melhor, porém devido a sua extinção algumas alternativas estão sendo estudadas em substituição a este substrato, como os vasos de fibra de coco, por exemplo. Substrato: Pode ser utilizado: 50% de fibra de coco, 25% de terra e 25% de areia grossa. Outra mistura de solo básica para o cultivo das samambaias é composta por 1 parte de terra vegetal, 1 parte de terra comum de jardim e 1 parte de húmus de minhoca. Samambaias também não gostam de alterações de lugar, pois elas acostumam-se a luminosidade, temperatura e umidade local, podendo definhar e até morrer caso sejam mudadas.

Adubação: Recomenda-se o uso de farinha de osso ou torta de mamona. Mas existem no mercado, fertilizantes indicados para o uso específico em samambaias. Aplique seguindo as instruções da embalagem ou do fornecedor.

Cuidados:

Poda: Eliminar somente ramos secos ou doentes.

Método de propagação ou replante: Multiplica-se facilmente por divisão da planta, a qual deve ser efetuada preferencialmente no final do inverno e deixada em ambiente úmido.

Dados extras: As samambaias são atacadas por diversos tipos de praga. Pulverize as samambaias com calda de fumo (20 gramas de fumo de rolo para meio litro de álcool, deixando descansar por 24 horas), essa receita casaeira afastará diversas pragas.

Milhões de aos atrás, samambaias enormes dominaram florestas imensas, muito antes de surgirem as plantas atuais. Elas não desenvolvem sementes, mas propagam-se através de esporos ou pela divisão de seus risomas. A maior parte dos gêneros utilizados em paisagismo são provenientes dos trópicos, destacando-se Adiantum, Asplenium, Polypodium, Pteris e Platyccerium, com diversos tamanhos e formas. Esta planta é uma das mais antigas do mundo, existem há pelo menos 350 milhões de anos, os tipos mais conhecidos são: samambaia de metro, avenca, azul ou amazônica e pluma. Cada muda demora em média 2 anos para ficar adulta.